ESTUDANTES DO IFBA DE VALENÇA LUTAM CONTRA O SEU DESMONTE

Os Institutos
federais IFBA e IFBaiano estão vivendo momentos de tensão nos últimos dias. Os estudantes, acampados no pátio da instituição, elegeram o colega Osni Guimarães, vice-presidente do Grêmio Estudantil
para falar com a imprensa.  Segundo informações
do representante dos estudantes do IFBA em Valença, o campus está sofrendo uma espécie
de doação pelo seu Reitor Renato Assunção, que de forma autoritária pretende
fazer a unificação da escola com o 
IFBaiano.  Os estudantes dos dois
institutos são contrários à unificação vez que a proposta já foi arquivada há
algum tempo, devido a luta travada por eles contra o processo.

Repentinamente, a comunidade do IFBA, juntamente com sua direção, foi surpreendida com um novo
processo já em andamento o qual requer a exclusão do
IFBA, então,
  a comunidade estudantil dos institutos federais de Valença resolveu ocupar os dois campi para não permitir que o MEC /SETEC façam a
vistoria em nenhum deles..

Osni disse que a
unificação (EXCLUSÃO) depende muito do posicionamento da Reitoria do IFBA que  pode ajudar na unificação ou recusar, e que o
processo de exclusão do IFBA  está acontecendo
por que o reitor é omisso e autoritário, e que apesar da decisão vir do SETEC/MEC, o reitor pode se posicionar contra a unificação e impedir que ela
 aconteça. Como a reitoria do IFbaiano não
aceita e é necessária a união das reitorias para que ela aconteça, é provável que – assim como em outras instituições o processo de unificação não se concretize.

O estudante diz
que o reitor, Renato Assunção, fala muito e não explica nada, e que nem a
diretoria geral do IFBA Valença sabia dessa decisão. Ele convocou uma reunião
ontem em Salvador, mas não compareceu no horário, pois não é aberto ao diálogo e
faz isso a quatro anos. Osni e seus colegas não acreditam no que o reitor  fala, pois, o mesmo não fornece informações críveis
e eles não tem ideia de como vai se dar a unificação é o que vai ser feito com o campus do IFBA, seus  cursos superiores, bem como, não sabem como
ficarão os cargos  do IFba que serão
transferidos  para o IFbaiano posto que o diretor  de lá afirma que não tem estrutura para receber  o IFBA e que não há condição de se juntarem. 

O IFbaianio  está unido com IFBA e hoje fechou os portões
para impedir a entrada do MEC no perímetro da 
escola
federal.
  A união entre as escolas está
sendo fundamental, segundo o vice-presidente do grêmio estudantil. O pátio do
IFBA estava cheio de estudantes acampados, assim como o IFbaiano. Osni disse
que o movimento estudantil está organizado nas duas escolas, contudo, o reitor Renato
Assunção não se pronuncia, apenas coloca notas extraoficiais.


Para Osni Guimarães
o reitor não fala  propositalmente para fazer uma jogada política a fim de
 enfraquecer o movimento estudantil e colocar um campus contra o outro.  “A
educação de forma geral vem sofrendo com os cortes há bastante tempo e toda e qualquer
atividade contrária à manutenção da educação de qualidade em Valença o
movimento estudantil vai bater de frente
” disse o estudante Osni, ele
também lembrou que
 o IFBA é uma pedra no
sapato de Renato, pois foi
 o primeiro
campus a ocupar, no âmbito estadual e federal em 2016. Osni continuou falando “
O IFBA é uma escola que forma jovens  políticos e pensantes   que não
aceitam autoritarismo”
. Para os estudantes, o reitor Renato é uma pessoa
muito autoritária e batendo de frente não conseguirá vitórias com os IFs da
Valença, pois eles enquanto estudantes lutarão para não acontecer o desmonte da
instituição.


 O MEC esteve no IFBA, mas não conseguiu
entrar porque os estudantes não permitiram. Osni disse que em outro movimento já
ocuparam a reitoria e o Renato não apareceu por lá para conversar, mas tem
consciência de que eles fazem resistência e não aceitam proposta de cima para
baixo,  que sem diálogo  eles vão resistir e não aceitarão.
Osni reclamou
que Renato aceitou todas as propostas contra a educação que vieram do governo
Temer, assinou embaixo de tudo sem questionar. Afirma que o IFBA e sua comunidade não podem deixar de existir. E,
que o reitor Renato quer se manter no cargo e por ser ano eleitoral se protege,
todavia,  sabe que se eles decidirem
ocupar a reitoria eles irão, pois já  o
fizeram uma vez.

A reclamação
unânime é que o reitor Renato não dialoga com a comunidade, apenas fala que
está seguindo as regras, mas, não explica quais; que o reitor  é uma pessoa desrespeitosa e preconceituosa,
sobretudo,  contra as mulheres e não aceita
que minorias sociais ganhem espaço. Ele acredita que sua forma de agir com o
IFBA, sobretudo com Valença é a melhor. Acha que tudo que ele decidir a
comunidade tem que aceitar sem ser informada.

Os estudantes do IFBA, na voz de Osni, não aceitam a  “doação” da escola federal e vão lutar pela sua manutenção em Valença. Segundo o estudante, a diretora Alba Rogéria foi a Salvador ontem, mas não conseguiu falar com o reitor porque ele não compareceu à reunião previamente agendada. E eles, enquanto membros do IFBA, estão esperando  um comunicado do reitor que até o momento dessa  entrevista não havia acontecido.






 


1 comentário
  1. Unknown Diz

    Corrigindo uma informação, Prof Alba Rogéria foi a Salvador, porém Renato faltou! Ainda assim, a mesma, acompanhada de uma comissão, esperou o Reitot até às 18:50 e assim exigiu pronunciamento oficial da Reitoria. Houve então uma garantia de que o reitor iriar tornar público a posixpo da reitoria do IFBA. A nota saiu, mas, trazendo mais do mesmo…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.